A luta pela correção da tarifa do táxi


    Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/sintaxi/www/view_noticia.php on line 24

Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/sintaxi/www/view_noticia.php on line 30
wow slider by WOWSlider.com v8.6




No início do mês passado, tão logo o governo federal autorizou o aumento do preço dos combustíveis, nós encaminhamos à Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) pedido de análise da média dos custos do gás natural veicular (GNV), gasolina e etanol.


A resposta chegou no dia 19, dando conta que o índice médio de reajuste dos três combustíveis ficou em 7,09%, não ultrapassando a barreira dos 8%, percentual previsto na Lei nº 11.582, de 21 de fevereiro de 2014, que rege o sistema de táxi da capital gaúcha.


Diante disso, o reajuste da tarifa do táxi será efetuado no próximo mês, quando completará um ano desde o último aumento (30 de abril de 2014).


A Nova Lei do Táxi prevê reajuste anual da tarifa com a aplicação do Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), medido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).


Nos últimos anos os índices do IGP-M ficaram em: 4,77% (2010), 7,39% (2011), 3,18% (2012), 8,21% (2013) e 7,11% (2014).


Nós sabemos que isto é apenas a reposição inflacionária no período de 12 meses, pois a tarifa do sistema de táxi de Porto Alegre está defasada há muito tempo.


Esta discussão é antiga e desde a época em que foram extintas as Bandeiras "3" e "4", a diretoria do Sindicato dos Taxistas de Porto Alegre (Sintáxi) já reivindicava a correção da tarifa, para repor as perdas acumuladas ao longo dos anos.


O poder público municipal alegava que a planilha de custos estava correta e nada justificava aumentar o valor da tarifa além dos índices apontados nos cálculos.


Só que existe diferença entre o índice inflacionário medido e a realidade de mercado. Combustíveis, mecânica, peças e acessórios para carros, entre outros itens, não respeitam nenhum indicador ou determinação governamental.


Aliás, não existe controle de preços, apenas de tarifas públicas. O resultado é que os taxistas amargam os prejuízos.


Vamos continuar na luta diária, em busca de melhores condições de trabalho e remuneração compatível à qualidade do serviço prestado, pois o próprio poder público municipal afirma que o serviço de táxi de Porto Alegre é o segundo melhor do Brasil, ficando atrás apenas de São Paulo.



Luiz Nozari
sintaxi@terra.com.br